sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

STREGA NONA - SÉRIE BRUXAS AMIGÁVEIS

Retomando o post anterior... Esta história de La Befana me deixou intrigada.

Strega e seu caldeirão. Ilustração de Tomie de Paola.
Na verdade, minha mãe, uma descendente de família italiana, sempre nos conta sobre sua Nona. Sua avó benzedeira.

Para quem está por dentro das histórias de perseguições as bruxas, entende que benzedeiras e parteiras eram, muitas vezes, condenadas por prática de feitiçaria e magia negra. Quando não comiam crianças e participavam da missa negra, o Sabá.

Toda essa história de bruxas amigáveis me fez lembrar um livro, que uma amiga gentilmente me emprestou, chamado Strega Nona, a avó feiticeira. (Exatamente como a Nona da minha mãe...risos!)

O conto italiano, recontado e ilustrado por Tomie de Paola e lançado pelo programa Crianças Criativas, traz a simpática história de uma avó feiticeira possuidora de um caldeirão mágico. Um caldeirão capaz de cozinhar sozinho um lindo macarrão e só para de produzir o alimento quando Strega pronuncia um encanto. Se for possível fazer uma leitura crítica do livro (infanto-juvenil, diga-se de passagem) é interessante constatar que a bruxa vive em paz com o padre e a igrejinha da vila. O macarrão mágico é oferecido até mesmo ao seminário...!


A fúria da macarronada. Ilustrado por Tomie de Paola.
Bom, a amiga que me emprestou o livro, deixou claro que haviam alguns pontos interessantes entre o livro e a cultura celta. (Ela tem "expertise" no assunto, se é que me entendem!risos!) E não é que é? Eis que encontro um ( ou vários?) ponto de ligação entre Strega Nona e a Mitologia Céltica. Pois é. Mais uma dessas viagens da minha parte . Mas, é verdade. Os caldeirões tem uma importância ímpar para os celtas. Fonte de poder e prosperidade. Enfim, os celtas são (ou foram), sem dúvida, um povo mágico.


Em visita ao site Caldeirão de Ideias de Monika Von Koss (Muito bom, aliás! Monika se dedica ao estudo do sagrado feminino. É bem bacana, com um artigos legais à beça.) encontro a lenda celta de um caldeirão pertencente a Dagda, o Deus bom. “O Caldeirão de Dagda incessantemente produz a comida mais requintada e a bebida mais saborosa. Diz-se que ninguém se afasta insatisfeito deste caldeirão inesgotável e benéfico.”

Como Strega Nona é italiana, a comida mais saborosa não podia deixar de ser macarrão, não é mesmo?

Aí, está pronta a salada (com o perdão do trocadilho!risos). Um caldeirão que jorra macarrão, período medieval, bruxas, italianos e celtas...  Mas é aquilo. Grande parte das nossas histórias de fadas e bruxas vem da mitologia céltica ou nórdica, então...

De qualquer forma, Strega Nona consegue resolver todos os dilemas da história com três doces beijinhos (ah, pois é. O número três também é outra referência à cultura celta, mas falo disso outra hora, em outro post, quem sabe?).Vale à pena a leitura e recomendo visitar o site Crianças Criativas. Tem material didático bem legal.

Bom, é por essas e outras que eu recomendo uma leitura crítica com relação aos livros infantis. Você pode encontrar de tudo. É só ter olhos para ler.

E pensar que tudo isso começou com La Befana!

E foi uma vez...






Nenhum comentário:

Postar um comentário