domingo, 25 de dezembro de 2011

O Papai Noel xamânico!

Saudações!
Revendo as postagens aqui do blog andei quase um ano fora! Perdoem-me os visitantes do Casa Conto pela ausência. Confesso a vocês que preciso estar inspirada e, é isso que me impulsiona a escrever por aqui. Este ano foi de intensas mudanças e eis que retorno logo nas comemorações natalinas!

Imagem do site Sabedoria sobre Ética dos Xamãs.
Acho o Natal uma data bastante interessante pela quantidade de símbolos. Em algum post falei sobre La Befana - o Papai Noel de saias italiano - e ainda comentei sobre um site que traz informações sobre os natais no mundo.
Bem, este ano uma amiga repassou uma versão sobre a data bastante desconhecida para mim.
Trata-se da História de Natal Siberiana (leia a história na íntegra acessando o link). Engraçado que ao jogar no google há várias referências, mas não achei uma bibliografia que eu considere confiável para citar por aqui ainda. Isso porque o assunto para mim é desconhecido, então eu preciso estudá-lo melhor para conhecer os autores e tudo o mais.

Enfim, uma correlação entre o velho Noel e os xamãs. Segundo o site sobre o assunto ( Considerei os posts bem escritos, com bastante informação. Vale visitar.) o termo foi cunhado por antropólogos e abrange"(...) todas as práticas ancestrais que mantém ligação com o Sagrado, o Divino, espíritos e estados alterados da consciência." De acordo com o site, o Xamanismo nasceu na Sibéria e na Mongólia.

Pretendo fazer apenas alguns considerações sobre, portanto vou transcrever por aqui algumas das passagens da lenda que me chamaram a atenção, ok?

(...)Muitos povos xamânicos também comemoravam a cerimônia da árvore, representando a "Árvore do Mundo".
A árvore é um símbolo de culto recorrente. Os druidas (classe "sacerdotal" dos celtas) cultuavam as árvores consideradas símbolos da vida e os nórdicos ( povos das áreas que hoje conhecemos como Dinamarca, Suécia, Islândia e Noruega) também tinham a sua representação através de Yggdrasil, a imensa árvore considerada o eixo do mundo. Existem ainda outras culturas que ligam sua origem aos vegetais frondosos.
Outras fontes dizem que a árvore de natal foi uma "sacada" de Martinho Lutero. Ele achou os pinheiros cobertos de neve lindos e decidiu reproduzi-los em sua casa usando materiais artesanais. Então, a árvore de Natal teria vindo da Alemanha...
Existem muitas histórias, mas a árvore de algum modo ou de outro está sempre relacionada a vida. No caso do pinheiro, ele permanece verde mesmo no inverno mais rigoroso.

"As renas eram para os siberianos o que o búfalo representa para os nativos americanos; eram também consideradas a manifestação do Grande Espírito Rena, invocado pelos xamãs para resolver os problemas do povo."
Os animais também eram adorados. Os celtas, por exemplo, tinham uma relação muito estreita com os animais e cultuavam vários deles.  Então, não é de se espantar que um animal - a rena - seja considerada a representação de um Espírito.

"Os habitantes sentiam que os xamãs sempre lhe traziam presentes espirituais. Além disso, a fumaça do fogo onde faziam seu trabalhos saía por uma abertura nas casas (chaminés ), e era por ali que entravam e saiam os espíritos, o que também explica a origem de Papai Noel entrando pela chaminé."
Essa correlação é interessante. A figura do xamã como alguém que espalha os presentes espirituais para o povo.
Só achei meio "viagem" (literalmente!risos!) a parte da lenda que abrange a visão dos caçadores - estimulada pelo consumo de cogumelos através da carne da rena - de um homem vestido de vermelho e branco e a partir daí, teríamos a explicação do surgimento do Bom Velhinho.

Mas, de qualquer forma, é sempre bom conhecer outras lendas! Depois de uma bruxa que pune as crianças malcriadas com pedaços de carvão por que não xamãs que espalham presentes espirituais?

E foi mais um Feliz Natal!

Nenhum comentário:

Postar um comentário