sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Aureliano Ambrósio: o Rei Sábio

Allan Latwell - Entering The Deadlands to send. Visite a galeria do
autor.
Como vão, amigos do Casa Conto?

Começamos mais um ano e espero que todos tenham desfrutado bastante das festas!
Fico muito contente de dar continuidade ao assunto de " As Brumas de Avalon", ainda mais quando dou de cara com um exemplar fascinante da Revista História viva.

Foi meio por acaso: entrei em uma dessa bancas de rodoviária e estava indo embora quando meus olhos encontraram os da Fada Morgana!Típico caso de "amor à capa de revista"! risos! E lá estava: a Edição Especial Grandes Temas História viva - Idade Média Encantada: lendas, mitos, romances, aventuras e pseronagens inesquecíveis.

Não teve jeito, não é mesmo? Tive que levar. Mais tarde falarei sobre os temas que a revista aborda.

Falávamos no post " Brumas de Avalon" sobre a personagem do Rei Aureliano Ambrósio - o rei cristão e do quanto fiquei pensativa sobre sua origem.  É Gildas, um monge do século VI que o descreve:

"Em meio ao horror e destruição causados pelos saxões, um foco de



resistência se formava. Ambrósio Aureliano é um dos poucos personagens citados

por Gildas, "único sobrevivente de uma família romana". Ele o descreve como um

típico soldado romano: modesto, forte e cheio de fé. Era um homem de cavalaria e

"os bretões corriam como um enxame de abelhas em direção a ele, como um

enxame de abelhas temendo uma tempestade que se aproxima. Lutavam na

guerra tendo Ambrósio como líder", dizia Gildas. E o primeiro ataque de Ambrósio

não seria contra os saxões e sim contra Vortigern, considerado traidor de seu

país, cujo último refúgio foi um castelo em Flintshire. Ambrósio pôs fogo no castelo

e Vortigern morreu em batalha." ( este fragmento está em um documento interessante que encontrei no Scribd:  A lenda do Rei Artur e os Cavaleiros da Távola Redonda.)

 O blog " A Ilha Afortunada" (gosto muito deste blog. Vale a pena visitá-lo. Tanto que está em meu Blogroll.) continua com Monmouth para quem após a morte de Constantino, sobre ao trono Vortigern, um picto. Constantino tinha dois filhos - Aurélio Ambrósio e Uther. Os guardiões destes filhos os levaram para serem criados longe de Vortigern.
 Os irmãos recuperam o trono e a Bretanha é governada pelo sábio Ambrósio.

Enfim. O que desejo neste post é deixar claro como Marion enredou a sua trama e não discutir a autenticidade das histórias - que é deveras discutível. Existem várias versões sobre o surgimento de Artur. Mas, a Bretanha anterior a Artur era um território de contendas entre saxões, bretões e romanos.

E foi uma vez um Rei...

Nenhum comentário:

Postar um comentário